Pular para o conteúdo

Sim, os mestres do Heavy Metal estão de volta. Sinceramente, não sou o fã de carteirinha do Judas Priest. Muita coisa que eles fizeram eu não gosto, mas tenho alguns álbuns da banda como preferidos aqui na estante. Não podemos deixar de citar Painkiller (disco que moldou o caráter de uma geração) e o  British Steel que possui a música Breaking the Law, uma composição quase perfeita.

Porém, nem tudo são flores para a banda. Eles acabaram sofrendo do mesmo problema do Iron Maiden. Em um dado momento o vocalista ficou de saco cheio e saiu da banda. O Judas encontrou um novo frontman (Tim "Ripper" Owens), que era bacana, mas não segurou o rojão junto aos fãs. Já Robb Halford começou sua carreira solo com uma banda muito parecida com o Judas e depois enveredou por muitas bizarrices musicais. Logo ficou claro para as duas partes que ninguém iria ganhar dinheiro como antes e decidiram voltar a tocar juntos com aquela velha história de que a música falou mais alto.

Depois disso lançaram um disco que parecia ser o retorno da banda nos trilhos (Angel of Retribution em 2005) e dois outros álbuns que ficaram um pouco abaixo do que a galera estava esperando (Nostradamus em 2008 e Redeemer of Souls em 2017). Agora eles estão prestes a lançar um novo disco chamado Firepower e algo parece ter mudado, ou simplesmente voltado ao que era. Provavelmente alguém deu um toque para eles que a coisa estava degringolando e que era necessário uma volta às raízes para garantir o dinheiro dos boletos.

Então nos chega agora o clipe da música Lightning Strike onde podemos ver o Judas Priest em sua velha forma. Vejo aqui uma sonoridade anterior ao Painkiller, antes da influência da música americana. Puro e velho Heavy Metal Britânico. O disco chega às lojas no dia 9 de março e mal posso esperar para ouvir todas as faixas. Preparem-se para as guitarras rasgadas de Glenn Tipton e Richie Faulkner, a bateria ensandecida de Scott Travis, o baixo raivoso de Ian Hill e a voz do Deus (ou Deusa) do Metal  Rob Halford.